2017-03-31

'Resultados do grupo sem as cobranças incessantes do gestor foram iguais' - by Max Gehringer

Transcrição do comentário do Max Gehringer para a rádio CBN, do dia 31/03/2017, com um ouvinte que tem um chefe que não dá trégua nas cobranças.

Áudio original disponível no site da CBN. E se você quiser ler os comentários anteriores do Max Gehringer, publicados aqui, basta clicar neste link.

/==========================================================================

'Resultados do grupo sem as cobranças incessantes do gestor foram iguais'

cobranças chefe equipe

Um ouvinte escreve: "Trabalho em uma instituição financeira. E você sabe que, nesse setor, as cobranças por resultados são constantes e pesadas. Não é uma crítica, estamos acostumados com isso. Acontece que temos um gestor que adota a marcação individual, circulando o dia inteiro entre as mesas, perguntando, incentivando e, obviamente, exigindo resultados.

No mês passado, esse gestor entrou em férias e os resultados do grupo, sem as cobranças dele, foram iguais às dos meses anteriores. Seria válido levar ao conhecimento do gestor que temos competência e maturidade para trabalhar sem uma supervisão incessante?"


Bom, válido seria, mas duvido que o gestor concorde com os argumentos de vocês. Muito provavelmente, ele chegou ao cargo de gestor porque tem um estilo que agrada à direção da instituição: o do cobrador que não dá trégua e que está o tempo todo ligado no desempenho de cada subordinado.

Eu até lhe diria que, no dia em que houver, aí no setor, a oportunidade de uma promoção, o escolhido será aquele que tiver um estilo semelhante ao desse gestor. Portanto, mais do que ser convencido a mudar, ele seria para vocês um exemplo a ser seguido.

Se você me perguntar se esse é o melhor modelo de um gestor do século 21, eu lhe diria que não. Mas o que importa é o modelo que cada empresa adota para decidir quem será mantido, demitido ou promovido.

Não havendo assédio moral, a rotina se resume, como você mesmo disse, em se acostumar com a cultura e a usá-la em benefício da própria carreira.

Max Gehringer, para CBN.


No comments:

Blog Widget by LinkWithin