2013-11-06

'Ser eficiente demais pode impedir promoções e prejudicar a carreira?' - by Max Gehringer

Transcrição do comentário do Max Gehringer para a rádio CBN, do dia 06/11/2013, sobre se ser eficiente demais pode prejudicar a carreira e como para uma promoção, o mais relevante é ter espírito de liderança.

Áudio original disponível no site da CBN. E se você quiser ler os comentários anteriores do Max Gehringer, publicados aqui, basta clicar neste link.

/===================================================================================

'Ser eficiente demais pode impedir promoções e prejudicar a carreira?'

liderança

"Uma coisa me intriga", escreve um ouvinte. "Eu e meus colegas de trabalho temos notado que os melhores funcionários são preteridos nas promoções, porque carregam o piano em suas áreas e se tornam imprescindíveis, enquanto funcionários com desempenho bom, mas não tão bom, acabam conseguindo a promoção porque são mais fáceis de serem substituídos nas tarefas que executam. Pergunto se a nossa avaliação é correta e se existe um ponto em que ser eficiente demais possa prejudicar a carreira em vez de impulsioná-la?"

Sim e não. Vamos primeiro à parte do não. Ser eficiente, ou seja, cumprir uma determinada tarefa melhor que todo mundo, é um dos requisitos avaliados no caso de uma promoção. Mas não é o mais relevante. Ter espírito de liderança pesa mais, porque o eficiente terá que cobrar eficiência dos subordinados e nem sempre o melhor executor será o melhor gestor.

Agora vamos à parte do sim. De fato, há subordinados que nenhum chefe gostaria de perder. Um é o super-especialista, alguém que sabe muito sobre uma coisa só, normalmente algo difícil de aprender e quase sempre algo que os colegas não estão muito interessados em aprender. Outro tipo é o topa-tudo, que aceita qualquer incumbência, mesmo as que não tenham diretamente a ver com seu trabalho rotineiro, e se desencumbe delas com muita facilidade. Sendo um funcionário que vale por dois, não há chefe que não queira mantê-lo.

O limite entre o sim e o não está na postura. O funcionário precisa deixar claro para o chefe que faz o que faz com gosto, mas espera ser considerado para uma promoção. Os eficientes que se calam é que raramente são promovidos.

Max Gehringer, para CBN.


No comments:

Blog Widget by LinkWithin