2015-04-17

'Existe algum código de retorno em redes profissionais?' - by Max Gehringer

Transcrição do comentário do Max Gehringer para a rádio CBN, do dia 17/04/2015, com uma ouvinte que entrou em contato com uma pessoa de sua rede social profissional, mas não obteve resposta.

Áudio original disponível no site da CBN. E se você quiser ler os comentários anteriores do Max Gehringer, publicados aqui, basta clicar neste link.

/===================================================================================

'Existe algum código de retorno em redes profissionais?'

redes sociais profissionais

Uma ouvinte escreve: "Faço parte da rede profissional de uma pessoa que trabalha na área de relações humanas de uma empresa na qual fiz uma entrevista de emprego e não fui selecionada. Não conheço essa pessoa, mas aproveitando a facilidade do contato, escrevi duas vezes para ela, perguntando os motivos da minha rejeição, e não recebi resposta. Pergunto se existe um código de retorno nessas redes, ou pelo menos, a cortesia em responder."

Não, não existe nenhum código formal. Mas informalmente, posso deduzir que existe um. Quem escreve tem o direito de perguntar o que quiser. E quem recebe tem o direito de decidir se quer responder.

Estar em uma ou mais redes profissionais é positivo. Mas devido a facilidade para aderir, uma ínfima parte dos integrantes teve algum contato com os outros, fora dela.

Agora, imagine o seguinte. Se uma pessoa da sua rede, alguém com quem você nunca se encontrou, lhe escrevesse solicitando uma informação sobre a empresa em que você trabalha, suponho que você iria consultar a sua empresa antes de dar uma resposta. E certamente ouviria que isso não seria recomendável.

Talvez por cortesia, você até respondesse que não poderia dar a informação por ela ser confidencial. Se você pensar bem, essa seria uma resposta inócua, porque quem escreveu certamente já sabia disso.

Do mesmo modo, se a empresa que entrevistou você não ofereceu motivos para a rejeição, é porque essa é a diretriz da empresa.

Não estou dizendo que isso seja certo, mas apenas lhe explicando que a falta de uma resposta foi uma resposta. Que pode ser interpretada como: por favor, não me pergunte o que não posso responder.

Max Gehringer, para CBN.


No comments:

Blog Widget by LinkWithin