2011-11-16

O aumento cala-boca - by Max Gehringer

Transcrição do comentário do Max Gehringer para a rádio CBN, do dia 16/11/2011, sobre um aumento ínfimo dado para que o funcionário fique quieto.

Áudio original disponível no site da CBN (link aqui). E se você quiser ler os comentários anteriores do Max Gehringer, publicados aqui, basta clicar neste link.

/===================================================================================

O aumento cala-boca

shut up cala boca

"Procurei o meu chefe para solicitar um aumento", escreve uma ouvinte. "Expliquei e demonstrei a ele que eu ganhava pouco pelo volume de trabalho e pelos resultados apresentados. Ele ouviu atentamente meus argumentos, concordou com tudo e me prometeu levar o caso à direção da empresa. Uma semana depois, meu chefe me chamou e me comunicou, todo satisfeito, que havia conseguido, em caráter excepcional, a aprovação de um reajuste de 4%. Não sei se devo considerar isso como um prêmio ou como uma ofensa."

É um prêmio, sem dúvida. Aumento é sempre bom. Só que você recebeu o que se chama de aumento cala-boca. Ao concedê-lo, seu chefe poderá passar algum tempo lembrando que você teve um aumento e seus colegas não, o que mostra como a empresa tem você na mais alta consideração.

Ele também poderá lhe dizer que batalhou muito para que o aumento saísse, criando uma situação em que, aparentemente, você se tornou devedora da boa vontade do chefe e não credora da diferença entre o que você esperava e o que lhe foi dado. Provavelmente, seu chefe vai lhe cobrar mais resultados, imaginando que você não terá coragem de pedir outro aumento.

Então, o que você deve considerar agora é o seu novo salário em relação ao que empresas de porte semelhante à sua estão pagando por uma função equivalente à sua. Se você tem certeza de que seu salário está defasado em relação ao mercado, saia em busca de uma oferta. Se você conseguir uma, poderá aceitá-la ou usá-la para barganhar um novo aumento.

Em resumo, você deve considerar o aumento de 4% como um importante passo em uma negociação, e não como o ponto final dela.

Max Gehringer, para CBN.

No comments:

Blog Widget by LinkWithin