2012-08-22

Entrevistas não começam na primeira pergunta - by Max Gehringer

Transcrição do comentário do Max Gehringer para a rádio CBN, do dia 22/08/2012, com uma dica de como se comportar numa entrevista de emprego, naqueles instantes entre a entrada na sala e a primeira pergunta feita pelo entrevistador.

Áudio original disponível no site da CBN (link aqui). E se você quiser ler os comentários anteriores do Max Gehringer, publicados aqui, basta clicar neste link.

/===================================================================================

Entrevistas não começam na primeira pergunta

olá pela porta

Uma dica para entrevistas. Creio que a maioria dos candidatos imagine que uma entrevista comece, de fato, no momento em que o entrevistador faz a primeira pergunta. Por isso, pouca importância é dada a um pequeno espaço, de alguns segundos, que decorre desde o momento em que o candidato entra na sala até o momento em que ele é convidado a se sentar.

Eu perguntei a meu headhunter favorito o que ele observa nesses poucos segundos e ele me respondeu: "O semblante do candidato, que transmite sensações iniciais de segurança, postura e energia. Ou a ausência de tudo isso."

Então, como começar causando uma impressão positiva? Aqui vão três dicas.

Primeira: quando a porta se abre, o candidato deve evitar ações no gerúndio. Não pode estar se arrumando, se endireitando, guardando alguma coisa ou, o pior de tudo, falando ao celular.

Segunda: o candidato deve caminhar numa posição ereta, cabeça erguida e olhos fixos no entrevistador. Mão no bolso pega muito mal. Olhar para o chão, para as paredes ou para o teto é sinal de muita insegurança.

E terceira: o candidato deve reagir às ações do entrevistador. Sorrir de volta se receber um sorriso. Permanecer sério se o entrevistador mostrar seriedade. Mas pode, e deve, se antecipar e estender a mão para o cumprimento, demonstrando confiança.

Pronto. Cinco segundos se passaram e a primeira impressão já está consolidada.

Muitos ouvintes talvez reclamem que tudo isso elimina a naturalidade. Talvez sim. Mas na entrevista, como em qualquer contato pessoal, existe uma etiqueta a ser observada. A entrevista mais rápida que eu conduzi durou um segundo, tempo que uma candidata a uma vaga que requeria postura e seriedade, levou para a abrir a porta e me dizer: "Oooi!"

Max Gehringer, para CBN.

No comments:

Blog Widget by LinkWithin