2017-10-19

Desilusão com o mercado de trabalho faz com que jovens troquem de trabalho com frequência - by Max Gehringer

Transcrição do comentário do Max Gehringer para a rádio CBN, do dia 19/10/2017, com um jovem ouvinte que está pensando em trocar novamente de emprego, mesmo já tendo tido sete nos últimos seis anos.

Áudio original disponível no site da CBN. E se você quiser ler os comentários anteriores do Max Gehringer, publicados aqui, basta clicar neste link.

/==========================================================================

Desilusão com o mercado de trabalho faz com que jovens troquem de trabalho com frequência

desiludido com mercado de trabalho

Um ouvinte escreve: "Tenho 26 anos e uma carreira tumultuada. Comecei a trabalhar aos 20 anos e passei por sete empregos, incluindo este em que estou agora, e do qual não gosto porque qualquer pessoa capaz de respirar poderia fazer o que faço. Pergunto se eu teria maiores possibilidades de conseguir uma vaga decente, se eu eliminasse os quatro primeiros empregos do meu currículo e deixasse só os três últimos?"

Vamos lá. Se os três últimos estiverem contidos em um espaço de três anos ou menos, como aponta a sua média de empregos até agora, você continuaria a ter que dar explicações sobre a sua mobilidade.

O que lhe sugiro é tentar entender porquê você fica tão pouco tempo em empregos. Depois de sete deles, parece-me claro que não foi por você só ter trabalhado em empresas ruins. Seria azar demais se isso tivesse acontecido. Portanto você não consegue se estabilizar porque se desilude muito facilmente com o trabalho ou a empresa ou os chefes.

Não que você seja um caso extraordinário. Muitos jovens vêm encarreirando vários empregos em curto tempo e, assim como você, percebem em algum momento que o próximo emprego não será melhor que o atual.

O que posso lhe recomendar é esforçar-se mais para permanecer em um emprego. Ou então aceitar que você terá uma carreira nômade em empresas que exigem pouco dos admitidos e não se incomodam em ter alta rotatividade. Não que isso seja ruim, mas os salários são.

Max Gehringer, para CBN.


Nenhum comentário:

Blog Widget by LinkWithin