2018-03-07

Usar reembolso para complementar remuneração é uma espécie de sonegação - by Max Gehringer

Transcrição do comentário do Max Gehringer para a rádio CBN, do dia 07/03/2018, com uma ouvinte que trabalha em uma empresa que paga metade do seu salário como reembolso de despesas.

Áudio original disponível no site da CBN. E se você quiser ler os comentários anteriores do Max Gehringer, publicados aqui, basta clicar neste link.

/==========================================================================

Usar reembolso para complementar remuneração é uma espécie de sonegação

sonegação de impostos

Uma ouvinte escreve: "Recebi uma proposta de uma empresa na qual me interessa muito ir trabalhar, mas me deparei com uma situação delicada. Na empresa atual, eu recebo metade do pagamento pelo salário registrado em minha carteira. E outra metade, mediante apresentação de recibos de despesas.

Ao comparar minha remuneração líquida com o que a outra empresa oferece, eu passaria a ganhar quase 20% menos. Expliquei essa situação à nova empresa, mas o responsável me disse que, mesmo recebendo menos agora, eu sairia ganhando em longo prazo. Pergunto se isso é verdade."


Embora não lhe pareça, sim, é verdade.

A sua situação presente é a seguinte. A empresa em que você trabalha deduz do balanço, como despesas, as notas que você apresenta. E isso faz com que ela pague menos impostos.

Além disso, ela não recolhe encargos trabalhistas por essa parcela não registrada em sua carteira. Pode parecer esperteza contábil, mas é sonegação. E uma parte do que é sonegado está sendo dividida com você.

Se o que a nova empresa lhe oferece é um valor adequado à função, pela média do mercado, aceitar lhe traria duas vantagens.

A primeira é deixar de compactuar com uma irregularidade. E a segunda é ter um valor maior de fundo de garantia. No longo prazo, isso irá superar os seus rendimentos atuais, como lhe foi dito.

Além disso, em minha opinião, você deve mudar para ter uma carteira de trabalho condizente com a ética e a moralidade.

Max Gehringer, para CBN.


Nenhum comentário:

Blog Widget by LinkWithin