2018-06-19

Não recuse uma oferta de emprego só porque a empresa não tem programa de bônus - by Max Gehringer

Transcrição do comentário do Max Gehringer para a rádio CBN, do dia 19/06/2018, com uma ouvinte que trabalha em uma empresa que lhe pagou um bônus e está concorrendo a um emprego em outra.

Áudio original disponível no site da CBN. E se você quiser ler os comentários anteriores do Max Gehringer, publicados aqui, basta clicar neste link.

/==========================================================================

Não recuse uma oferta de emprego só porque a empresa não tem programa de bônus

contrato proposta de emprego

Uma ouvinte escreve: "Trabalho em uma empresa e estou participando de um processo em outra. Antes da primeira entrevista, me foi solicitado preencher uma folha com alguns dados que eu não havia inserido em meu currículo. E um deles era o meu salário mensal.

Como somente havia um espaço para o valor, fiquei em dúvida, porque, em minha empresa atual, existe um sistema de bônus, e no ano passado recebi o equivalente a um salário e meio. Não coloquei essa quantia adicional na folha, fiz a entrevista, fui bem e agora devo ir para a rodada final do processo. Mas continuo sem saber em que momento devo mencionar o bônus."


Bom, você pode fazer isso ou ao final da próxima entrevista, ou no momento em que lhe for feita uma proposta formal de emprego.

Você fez o certo ao preencher a folha sem o bônus, porque o salário é uma quantia incontestável, enquanto o bônus é uma possibilidade, e não uma garantia. Além disso, o montante dele a cada ano pode variar, de nada a alguma coisa.

Mas vamos dizer que você receba uma proposta um pouco melhor que o seu salário atual, mas a companhia que deseja lhe contratar não possui um programa de bônus. É pena, mas não é motivo suficiente para você rejeitar a proposta.

Se a função e as oportunidades de progresso profissional forem atrativas, ao aceitar você não estaria reduzindo a sua remuneração atual, estaria apenas abrindo mão de uma hipótese em benefício de valores concretos.

Max Gehringer, para CBN.


Nenhum comentário:

Blog Widget by LinkWithin