2015-02-09

Aprenda a ser Chefe: Futuros chefes não devem mentir no currículo - by Max Gehringer

Transcrição do comentário do Max Gehringer para a rádio CBN, do dia 09/02/2015, com a série "Aprenda a ser Chefe", sobre como futuros chefes não devem mentir no currículo e as seis mentiras mais comuns nos currículos, que podem ser facilmente descobertas numa entrevista de emprego.

Áudio original disponível no site da CBN. E se você quiser ler os comentários anteriores do Max Gehringer, publicados aqui, basta clicar neste link.

/===================================================================================

Aprenda a ser Chefe: Futuros chefes não devem mentir no currículo

mentira no currículo

Em uma pesquisa feita nos Estados Unidos, descobriu-se que metade dos currículos continha alguma inverdade. A pesquisa mostrou também que homens mentem mais do que mulheres e que o tamanho da mentira é inversamente proporcional ao cargo pretendido, ou seja, candidatos a auxiliar mentem mais do que candidatos a cargos de chefia.

Como não tenho conhecimento de alguma pesquisa desse tipo no Brasil, consultei uma agência de recrutamento que entrevista centenas de candidatos por mês. Para começar, a responsável pela agência me disse que os entrevistadores sempre começam com um pé atrás quando o currículo parece bom demais. E aí vão fazendo perguntas cada vez mais específicas, até o candidato finalmente disparar um "veja bem" e confessar que, de fato, exagerou um pouquinho.

A meu pedido, a agência listou as mentiras mais comuns em currículos. São seis:

1ª: transformar seminários de fins de semana em cursos de aperfeiçoamento profissional.

2ª: transformar viagens de turismo em experiência internacional.

3ª: mencionar fluência em idiomas quando o conhecimento é apenas elementar.

4ª: transformar a participação num grupo de trabalho em liderança na implantação de um projeto.

5ª: mencionar valores exagerados de economia ou investimentos na empresa anterior.

6ª: colocar um cargo ou função que o candidato diz ter exercido na prática, mas que não consta na carteira profissional.

Praticamente todas essas inverdades são facilmente descobertas nas entrevistas. E obviamente, o candidato é eliminado do processo. Portanto, quem não mente pode até perder algumas chances de ser chamado para entrevistas, mas no longo prazo será beneficiado porque a ética acabará prevalecendo. E um futuro chefe, que certamente irá exigir honestidade dos subordinados, não irá querer começar uma carreira fazendo o contrário.

Max Gehringer, para CBN.


No comments:

Blog Widget by LinkWithin