2015-12-02

Título de mestre pode espantar recrutadores? - by Max Gehringer

Transcrição do comentário do Max Gehringer para a rádio CBN, do dia 02/12/2015, com um ouvinte que fez mestrado e está encontrando dificuldades para trabalhar no mercado de trabalho do setor privado.

Áudio original disponível no site da CBN. E se você quiser ler os comentários anteriores do Max Gehringer, publicados aqui, basta clicar neste link.

/===================================================================================

Título de mestre pode espantar recrutadores?

mestrado

Um ouvinte escreve: "No ano passado, concluí um mestrado. Tive um período inicial como professor e pesquisador, mas decidi mudar para uma indústria do setor privado, porque acredito que nele terei melhores oportunidades de desenvolvimento e crescimento. Enviei currículos a várias empresas nas quais me interessaria trabalhar, e não recebi uma só resposta. Será que o título de mestre que consta em meu currículo estaria espantando os recrutadores?"

Bom, não creio que espante, mas também não creio que atraia imediatas simpatias. De modo geral, o mercado de trabalho entende que alguém que optou por um mestrado, em vez de um MBA ou uma pós-graduação especializada, fez isso porque a sua primeira opção profissional seria uma carreira acadêmica.

Se surgir uma vaga em uma indústria e aparecer um candidato com formação e experiência anterior compatíveis com a vaga, ele terá a preferência do recrutador, e não você. Não é uma discriminação contra mestres, mas apenas a adequação do postulante à vaga oferecida.

Então, sim, eu acredito que retirar o título de mestre do seu currículo possa lhe render entrevistas. Mas aí vem a segunda questão: se até agora a sua carreira foi desenvolvida em instituições de ensino e pesquisa, você precisará ter bons argumentos para convencer o entrevistador de que você está mudando para sempre, e não somente para testar o terreno.

E depois que você tiver conseguido o seu emprego, volte a usar o título de mestre, com justificado orgulho, nas situações em que ele for necessário.

Max Gehringer, para CBN.


No comments:

Blog Widget by LinkWithin