A 'quebra de paradigmas' em empresas - by Max Gehringer

2009-12-28 9:55 AM by Andarilho

Transcrição do comentário do Max Gehringer para a rádio CBN, do dia 28/12/2009, sobre quebra de paradigmas nas empresas.

Áudio original disponível no site da CBN (link aqui). E se você quiser ler os comentários anteriores do Max Gehringer, publicados aqui, basta clicar neste link.

/===================================================================================

A 'quebra de paradigmas' em empresas

quebrar paradigmas
"Trabalho em uma empresa que tem dificuldades para quebrar paradigmas", escreve um ouvinte e explica porque. "Preocupado com o meu desenvolvimento profissional, solicitei que a empresa me pagasse um curso. E o gerente me respondeu que a empresa nunca fez esse tipo de concessão. Assim, sem nenhuma outra explicação. Você concorda que essa é uma empresa que parou no tempo?"

Humm, não, não concordo. Das muitas expressões que fazem parte do blablabla corporativo, quebrar paradigmas é uma das que mais me assustam. Porque quase sempre "precisamos quebrar paradigmas", é uma frase interpretada como "precisamos mudar tudo o que está sendo feito do mesmo jeito há mais de cinco anos".

Daí, a palavra paradigma acabou ganhando uma conotação negativa. Dizer que uma empresa não quebra paradigmas, é como dizer que ela é atrasada, parada no tempo, incapaz de acompanhar o ritmo do progresso.

Mas paradigma é outra coisa. O sentido original da palavra, que é grega, era o de comparar. Mais exatamente, paradigma se traduzia como colocar lado a lado.

Uma empresa pode ser considerada míope se ela jamais compara a maneira como as coisas são feitas, com outras maneiras diferentes de fazer essas mesmas coisas. Mas, uma empresa que faz essa comparação e decide não mudar nada, não é necessariamente míope.

No caso do nosso ouvinte, a empresa colocou duas situações lado a lado: o que ela está perdendo por não pagar cursos para os funcionários, e o que ela ganharia se os pagasse. E a conclusão da empresa foi de que o paradigma deveria ser mantido.

Nosso ouvinte fez uma pergunta e ouviu uma resposta. Como não foi a resposta que ele queria ouvir, a culpa recaiu sobre os paradigmas. Mas eu aconselharia ao nosso ouvinte a não desistir. Muito possivelmente, na avaliação da empresa, o nosso ouvinte iria se beneficar com o curso, mas a empresa não.

Agora, o nosso ouvinte precisa fazer exatamente o quea palavra paradigma sugere: apresentar duas situações para a empresa avaliar, mostrando como o curso pago será de utilidade para a empresa, do ponto de vista técnico e financeiro.

É muito raro uma empresa rejeitar uma mudança que irá beneficiá-la. Mas é mais raro ainda uma empresa concordar com uma mudança, apenas para não ser acusada de ter dificuldades para quebrar paradigmas.

Max Gehringer, para CBN.

1 comentários:

  1. Cintia Yamane said...

    uau.. ele sabe a origem de um monte de palavras...
    la no meu, ja me pagaro um curso de flash.. so o modulo basicao.. ixe.. e ai qq coisa que eu vou fazer, ela fica cobrando as habilidades que aprendi no curso..

Blog Widget by LinkWithin