2015-03-31

'Minha empresa implantou um plano de redução de custos por causa da crise' - by Max Gehringer

Transcrição do comentário do Max Gehringer para a rádio CBN, do dia 31/03/2015, com uma ouvinte preocupada com a crise econômica que ronda o Brasil.

Áudio original disponível no site da CBN. E se você quiser ler os comentários anteriores do Max Gehringer, publicados aqui, basta clicar neste link.

/===================================================================================

'Minha empresa implantou um plano de redução de custos por causa da crise'

crise econômica

Uma ouvinte escreve: "Estou muito preocupada com essa terrível crise econômica que afeta o Brasil. A empresa em que trabalho implantou um programa espartano de redução de custos, que já nos tirou até o cafezinho, além de adiar investimentos, contratações, promoções e aumentos. Já se fala em uma lista de dispensas e pergunto se existe alguma luz no fim desse túnel?"

Bom, primeiro é preciso ter cuidado com o uso da palavra "crise". E mais ainda, com o uso da palavra "terrível". Em economia, uma crise se torna oficial quando uma coleção de indicadores econômicos mostra deterioração continuada por um bom período de tempo. É o caso, por exemplo, da Grécia, mas ainda não é o do Brasil.

O que aconteceu aqui é que medidas econômicas que deveriam ter sido tomadas nos últimos 18 meses, não foram. E outras que foram, não deveriam ter sido. Agora será preciso consertar a situação, uma ação que exige do governo competência e coragem para adotar medidas impopulares.

Num momento assim, ocorre uma crise não de fundamentos, mas de confiança. Algumas empresas, como a sua, apostam na pior hipótese e se contraem. Outras, pelo contrário, se expandem, investindo mais em propaganda e promoções, e incrementando equipes de vendas.

Os indicadores econômicos até agora têm mostrado que empresas como a sua, mais defensivas do que reativas, ainda são minoria. Portanto, você não deve tomar a sua empresa como base para o mercado. Fora dela, há um outro mundo. E ele ainda está muito longe de uma hecatombe.

Max Gehringer, para CBN.


No comments:

Blog Widget by LinkWithin